quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

África Minha


Havia uma canção do extinto grupo Ouro Negro que dizia “ai, meus olhos ficaram lá”, referindo-se a África. Ficaram os deles e ficaram os meus. De mim até lá ficaram mais coisas.

Ficou-me a saudade da geografia, dos cheiros novos, da lua ao contrário, das estrelas novas, das praias paradisíacas, da fauna, da flora e acima de tudo a saudade de uma menina que não cheguei verdadeiramente a conhecer e a quem apenas vi, mas pela qual me deixei cair de amores pelos seus olhos doces.

Fará, daqui a dias, três anos que voltei de umas longas férias de sete meses passadas entre o Malawi (essencialmente), Moçambique e Zâmbia (em breves visitas). Nunca tinha ido a África, não tenho raízes em África, mas vou voltar a África.

O Malawi é diferente de qualquer um dos outros países que mencionei. No Malawi não houve guerra, até o processo de independência foi relativamente pacífico. Não foi à toa que isso aconteceu. Às vezes é bom ser pobre e não ter recursos apetecíveis para potências cobiçosas.

O Malawi é dos países mais bonitos que conheço. É tão pequeno quanto diverso. Não é um país destruído, desmembrado ou em efervescente reconstrução, é um país de uma beleza pura e dura, quase intocada. Contrariamente, Moçambique entristeceu-me pela decadência em que se encontra. Qual chaga aberta, é um país que corre ainda perigo de septicemia.

8 comentários:

cantinhodacasa disse...

Meu pai ia muitas vezes a Angola e Moçambique, era eu ainda miúda.
Ele adorava essas terras. Tinha magia.
Gostava de poder visitar se pudesse.

E porque gosto de ler este blog, com magia a terras lindas e distantes, e as histórias encantadoras que contam agradeço que visite o meu cantinho e aceite o que tenho para si.
Obrigado.
Beijinho

RED disse...

Só há pouco tempo é que descobri o que lá deixei...mas foi preciso viver umas coisas e penar outras.

RD disse...

Reviver o que por lá foi vivido, faço-o mas num contexto muito específico. Reviver o muito que por lá ficou, não me faz nenhum sentido, melhor ou pior é assunto ultrapassado e não consigo evitar amargura pelo que resultou após gerações e gerações de gestão civilizacional. Nasci e vivi em África, mas não sou de facto africano, essa é a verdade. Muito em breve irei visitar o Sul e o centro de África, sem nostalgia e com muita curiosidade, apenas como mais um turista que espera ficar encantado mesmo que para tal tenha que fechar os olhos de quando em quando.
Depois do que sumariamente nos contas, tenho pena que o Malawi não conste do meu percurso, mas vou andar lá por perto.

Carapau disse...

Um dia, numerosa cavalgada, apeia-se ao portão. Sacode o pó da estrada... (desculpa, não era nada disto que eu ia escrever).
Um dia, fui convidado para ir nadar para águas africanas. Desde jaquinzinho que pensava em ir passar uns tempos a África. Porém, não aceitei o convite e continuei a nadar por cá.
Uma coisa sei. Não conheço ninguém que lá tenha vivido ou passeado ou nascido que não traga a África agarrada à pele.
Neste post e nos respectivos comentários estão mais alguns exemplos disso.
Boa viagem para quem lá for...

Calendas disse...

Pois fazes mal, RD. Por alguma coisa se chama ao Malawi "warm heart of Africa" e não é porque faz muito calor!

maria teresa disse...

Só conheço o Norte de África e nem todos os países mas ela atraí-me. Gosto das suas gentes, das suas cores, dos seus frutos, das suas flores, dos seus cheiros... em África respira-se sensualidade...
Bj

Calendas disse...

Maria Teresa e há lá muitos homens de barba branca, lol. Queres ir comigo? Vou para Angola, agora desta vez.

maria teresa disse...

Seria para ontem, se não existissem algumas "correntes" que ainda me prendem.
É nestas alturas, que tenho pena de não ter menos uns 10 anos, não era pedir muito, pois não? E encontrar-me na situação de liberdade em que me encontro...liberdade relativa, porque o amor que tenho pelas criaturas pequenas ainda me prende um pouco. Estou a ficar melancólica, vou desligar a "ficha".
Chiça! Levei um choque!
Bjis