segunda-feira, 19 de abril de 2010

O meu menino homem

Posted by Picasa



Hoje, Maria Teresa, o que escrevo é verdade.


Estou triste, cansada, desiludida. Hoje o meu menino homem teve um ataque epiléptico. Depois de um estrondo, fui dar com ele estendido no chão, a cadela ladrando desesperada, e o meu menino convulsionando e lutando inconscientemente contra a falta de ar. E eu impotente, sempre impotente. Antes cabia-me nos braços, hoje sou eu quem cabe nos braços dele. Antes pegava-lhe ao colo e deitava-o confortavelmente numa cama, hoje, só lhe pude amparar a cabeça, impedindo que se magoasse mais.


O meu menino nasceu bonito e de aspecto saudável. Eu, com 21 anos, desejei-o, escolhi-lhe o nome e planeei-lhe toda uma vida. Pouco meses depois, surgiram os primeiros sintomas de que algo estava mal. Seguiram-se anos de diagnósticos furados, muitos medicamentos errados e sonhos frustrados.


Na escola, o meu menino não lia, o meu menino não aprendia, mas era feliz, brincava e sorria. Hoje, com quase 23 anos, o meu menino homem podia ser qualquer coisa, talvez músico, talvez engenheiro (adivinhando-lhe os gostos). Hoje, o meu menino homem, pede-me que lhe arranje uma namorada loura, joga playstation e vê futebol.

Hoje o meu menino homem é autónomo nas coisas básicas, mas não sabe atravessar a estrada.
Hoje o meu menino homem depende de mim, amanhã será das irmãs.

Amanhã não estarei cá, mas ele sim e não perceberá porque o abandonou a mãe.

12 comentários:

Poetic GIRL disse...

ele não irá sentir isso como um abandono, poderá não entender a ausência, mas algo se encaregará de lhe aconchegar o coração. Vais ver que sim! beijo grande

maria teresa disse...

Ele é feliz por ter uma mãe como tu e é lindo,sabe sorrir e o seu sorriso diz isso mesmo.
Que estejas triste e cansada é natural! Desiludida não podes estar. Ele nasceu por algum motivo, busca nas tuas memórias e encontrarás, vai observando como ele é útil em muita coisa como ele faz descobertas, é diferente das irmãs e depois?
Sou muito sensível a estas "diferenças", por isso adorei trabalhar com crianças diferentes, elas eram tão "ricas" que me punham um sorriso nos lábios e nos olhos.
Pensa no teu menino homem apenas no teu dia a dia, nas pequenas conquistas que ele vai fazendo porque certamente que as faz.
A epilepsia pode ser controlada. Hoje o teu coração de mãe ainda sangra porque o "descontrolo muscular" que essa doença provoca é horrível de se ver.
Não sei que mais te posso dizer por escrito, mas embora apenas te conheça virtualmente, estou aberta a dar-te o apoio que precisares, sei escutar, sabes como me contactar...
Abracinho terno

Calendas disse...

Teresa, quando disse que estava desiludida nada tinha que ver com o meu rapaz. Estou desiludida comigo, por não ser capaz de o proteger mais, com os médicos por não descobrirem mais do que eu sei... nunca com ele.
Hoje foi um choque porque ele desde os 8 anos que estava controlado relativamente à epilepsia. Mas o problema dele não é só, antes fosse (Napoleão, por ex, era epiléptico) apenas esse. São outras coisas,para as quais procuro resposta e nada. Isso desilude-me pela frustração que me traz. Aqui há tempos, disse-me um médico, a propósito da minha insistência a que lhe fizessem uns exames genéticos: "a senhora tem de compreender que nós temos casos muito mais graves". Respondi-lhe: "pois é, mas este é o meu caso mais grave". Calou-se! (É apenas uma questão de perspectiva, pensei eu.)

PS. Obrigada pelo carinho e apoio das duas comentadoras.

maria teresa disse...

Minha querida eu percebi que não estavas desiludida com ele, sei que uma pessoa como tu nunca se desiludiria com um filho. Continuo a dizer que não te podes desiludir, não és culpada de nada,sabes muito bem que, por vezes, surge uma pista, um rumo a seguir, a solução pode não ser a que queremos, mas a situação pode melhorar...
Conheço um excelente neurologista, que para além de trabalhar no privado, trabalha em Santa Maria...
Abracinho

cantinhodacasa disse...

"Amanhã não estarei cá, mas ele sim e não perceberá porque o abandonou a mãe."

Viva cada momento com ele e para ele.
Hoje...
Amanhã vem depois...

Beijinho

Red Maria disse...

Dear, tu mantém-te calma, pá, e já sabes onde me encontar para uma conversa, ok?

Red Maria disse...

"encontrar"

Carapau disse...

Estou habituado a vir aqui largar duas tretas, mas hoje resolveste entrar por outro caminho para nos emocionar. Deve ser resultado do "contacto" com a Maria Teresa.
Um abraço.

Joaquim Jorge Carvalho disse...

Beijinho com admiração dentro.
JJC

VdeB disse...

Cara Calendas, vinha aqui brincar contigo mas depois de ler este teu texto a minha mood voou para outros layers. Lamento que tal me tenha acontecido, afinal, e bem vistas as coisas, poderiamos e até deveriamos brincar na procura do lado positivo de todas as facetas da vida. As melhoras do teu "menino" e... coragem e muita força, a CantinhoDaCasa tem toda a razão, esse elo tão intrigante e único entre uma Mãe e um filho e em particular no teu caso, não pode nem deve ser quebrado sobre pretexto nenhum, isso sim seria um inexplicável e inaceitável abandono.

Livro Branco disse...

Acabei de recuar 15 anos...
A tristeza, o cansaço e a impotência que sentes são compreensíveis, mas não te sintas desiludida contigo: sempre lutaste por ele e nunca desististe de procurar as respostas que, infelizmente, teimam em não chegar. Fazes o que te é possível e és uma excelente mãe, nunca duvides disso!

Beijo grande!

P.S. - Recordo-te o que te prometi há 15 anos: o teu menino homem é muito especial para mim e eu estou aqui, apesar da minha "presença latente", para ajudar em tudo o que for preciso: hoje, amanhã, sempre.

Beijo grande

AVOGI disse...

Pois, a vida é memso assim uns vão outros ficam. há que ter coragem pra enfrentar o dia a dia com força e perseverança. kis